Giovanni Piero Spinelli, CEO e Diretor da Divisão de Inteligência da STAM Strategic & Partners Group Ltd, Março de 2020
Desastres antropogênicos e naturais geralmente representam eventos repentinos e planejados ou acidentes provocados, o que determina a ação é certamente o interesse especulatiDESINFORMAÇÃO E CATÁSTROFES
Desastres antropogênicos e naturais geralmente representam eventos repentinos e planejados ou acidentes provocados, o que determina a ação é certamente o interesse especulativo intrínseco por trás de cada evento. A ação especulativa é sempre acompanhada de atividades de desinformação aderentes, que podem ter um impacto destrutivo e devastador na população afetada pela catástrofe.
A atividade de desinformação pode ter um objetivo definido e específico, tão vasto e indeterminado quanto, por exemplo, a opinião pública de um país, orientando e manipulando o pensamento comum seguindo esquemas específicos.
Claramente, não posso deixar de pensar sobre o que está acontecendo hoje em dia no mundo e especialmente na Itália, onde uma atividade de desinformação enganosa está inspirando a população italiana, com uma reversão altamente impressionante da ação de consenso.
Refiro-me claramente à construção sugestiva cuidadosa e refinada construida em torno dos novos libertadores do ‘’Covid-19 ou Corona Virus’, ou seja, China, Rússia, Cuba, às custas de aliados tradicionais como os EUA.
A atividade de desinformação não é uma atividade para amadores, mas construida ad hoc, por meio de uma ação sistemática de propaganda disfarçada, enganosa e oculta, que pode ser realizada por atividades em campo, através da FIE (Entidades de Inteligência Estrangeira) sempre presentea tanto em áreas onde ocorrem conflitos de guerra, como em áreas de desastres de qualquer natureza, o objetivo da presença constante é representado pelo interesse tático e estratégico do ator de referência politico.
Quero enfatizar novamente que é importante que uma operação de inteligência nesses níveis seja impossível, que possa ser planejada e conduzida por atores não estaduais e, acima de tudo, com grande e específico profissionalismo.
Então, de maneira mais geral, o objetivo do que está hipoteticamente acontecendo poderia ser uma atividade de manipulação múltipla, destinada a uma forçadura inteligente da orientação da opinião pública italiana e além, transformando os EUA de aliado (um país que de alguma maneira garantiu a segurança e a democracia da Itália, desde o período pós-guerra até o presente), a um parceiro infiel e, em alguns aspectos, também a um inimigo, ampliando a solidariedade da China, Rússia e Cuba.
É importante destacar como essa campanha de magnificência ligada à solidariedade da China, Rússia e Cuba se tornou um grande vetor quantitativo de uma ação estruturada de propaganda, capaz de ofuscar a verdadeira natureza dos regimes totalitários desses países, e as responsabilidades relacionadas à propagação da pandemia.
Claramente, não escapou aos especialistas, essa açao sugestiva precisa, capaz de provocar uma reação de uma opinião pública fortemente enfraquecida pelo evento destrutivo.
Claramente, muitas informações, muitas vezes inverificáveis, têm o objetivo de gerar hostilidade a partir de um ator indistinto, como a opinião pública.
A atividade de propaganda e a exposição de quem é bom e de quem é ruim alcançou uma dimensão perceptiva explícita nos dias de hoje. Refiro-me a fotos, vídeos, artigos de jornal e reportagens de televisão onde a presença de elementos de nações mencionadas acima foram descritas como salvadores da Itália pela ameaça do Corona virus , sem uma investigação real, sobre a eficácia de seu papel e os efeitos de sua permanência no território italiano para finalidades diferentes das emergenciais.
É importante lembrar que mesmo uma parte do que sai nos meios de comunicação de massa e atualmente nas redes sociais vem de uma atividade cuidadosa dos órgãos responsáveis pela inteligência.
Deve-se considerar com extrema importância o que essa atividade de desinformação produzirá ao longo do tempo, especialmente para uma população ferida enganada por falsos profetas.vo intrínseco por trás de cada evento. A ação especulativa é sempre acompanhada de atividades de desinformação aderentes, que podem ter um impacto destrutivo e devastador na população afetada pela catástrofe.
A atividade de desinformação pode ter um objetivo definido e específico, tão vasto e indeterminado quanto, por exemplo, a opinião pública de um país, orientando e manipulando o pensamento comum seguindo esquemas específicos.
Claramente, não posso deixar de pensar sobre o que está acontecendo hoje em dia no mundo e especialmente na Itália, onde uma atividade de desinformação enganosa está inspirando a população italiana, com uma reversão altamente impressionante da ação de consenso.
Refiro-me claramente à construção sugestiva cuidadosa e refinada construida em torno dos novos libertadores do ‘’Covid-19 ou Corona Virus’, ou seja, China, Rússia, Cuba, às custas de aliados tradicionais como os EUA.
A atividade de desinformação não é uma atividade para amadores, mas construida ad hoc, por meio de uma ação sistemática de propaganda disfarçada, enganosa e oculta, que pode ser realizada por atividades em campo, através da FIE (Entidades de Inteligência Estrangeira) sempre presentea tanto em áreas onde ocorrem conflitos de guerra, como em áreas de desastres de qualquer natureza, o objetivo da presença constante é representado pelo interesse tático e estratégico do ator de referência politico.
Quero enfatizar novamente que é importante que uma operação de inteligência nesses níveis seja impossível, que possa ser planejada e conduzida por atores não estaduais e, acima de tudo, com grande e específico profissionalismo.
Então, de maneira mais geral, o objetivo do que está hipoteticamente acontecendo poderia ser uma atividade de manipulação múltipla, destinada a uma forçadura inteligente da orientação da opinião pública italiana e além, transformando os EUA de aliado (um país que de alguma maneira garantiu a segurança e a democracia da Itália, desde o período pós-guerra até o presente), a um parceiro infiel e, em alguns aspectos, também a um inimigo, ampliando a solidariedade da China, Rússia e Cuba.
É importante destacar como essa campanha de magnificência ligada à solidariedade da China, Rússia e Cuba se tornou um grande vetor quantitativo de uma ação estruturada de propaganda, capaz de ofuscar a verdadeira natureza dos regimes totalitários desses países, e as responsabilidades relacionadas à propagação da pandemia.
Claramente, não escapou aos especialistas, essa açao sugestiva precisa, capaz de provocar uma reação de uma opinião pública fortemente enfraquecida pelo evento destrutivo.
Claramente, muitas informações, muitas vezes inverificáveis, têm o objetivo de gerar hostilidade a partir de um ator indistinto, como a opinião pública.
A atividade de propaganda e a exposição de quem é bom e de quem é ruim alcançou uma dimensão perceptiva explícita nos dias de hoje. Refiro-me a fotos, vídeos, artigos de jornal e reportagens de televisão onde a presença de elementos de nações mencionadas acima foram descritas como salvadores da Itália pela ameaça do Corona virus , sem uma investigação real, sobre a eficácia de seu papel e os efeitos de sua permanência no território italiano para finalidades diferentes das emergenciais.
É importante lembrar que mesmo uma parte do que sai nos meios de comunicação de massa e atualmente nas redes sociais vem de uma atividade cuidadosa dos órgãos responsáveis pela inteligência.
Deve-se considerar com extrema importância o que essa atividade de desinformação produzirá ao longo do tempo, especialmente para uma população ferida enganada por falsos profetas.