Giovanni Piero Spinelli, CEO e Diretor da Divisão de Inteligência da STAM Strategic & Partners Group Ltd, Abril de 2020

Existem muitas perguntas sobre o que será no período pós-pandemia e como a recessão, a interrupção da economia mundial e a contração do crescimento podem de alguma forma desencadear grandes crises relacionadas à segurança nos países mais afetados pelo vírus.

Ameaças à saúde são ameaças à segurança e vice-versa; portanto, devem ser abordados em conjunto, tanto durante a emergência de saúde quanto principalmente depois, em virtude de a emergência não se limitar apenas ao momento de conflito, mas também de desconflição.

O envolvimento do setor de segurança nas crises da saúde e nas respostas a emergências é agora uma constante, que vê vários atores no campo, tanto de instituições quanto do mundo privado, operando interna e externamente, claramente com responsabilidades diferentes, com uma extensão. operacionalmente regional e internacionalmente. As consequências de qualquer coisa são sempre muito incertas e é claro que isso cria medos e incertezas , certamente justificadas, mas muitas vezes construídas e projetadas. Analisando especificamente a pós-pandemia, não podemos deixar de pensar no fato de que situações de contingência muito alta podem surgir dentro de um sistema com geometria variável, principalmente devido à desintegração de antigas alianças ou ao seu enfraquecimento e ao nascimento de novas realidades, atualmente indefinidas e que de alguma forma afetará a segurança dos estados e, especialmente, da sociedade.

Mas ainda mais impressionante será a roptura entre a sociedade e as instituições, devida e acentuada pelo mal-estar social, exacerbando as desigualdades territoriais e entre os cidadãos, com a erosão adicional da classe média e a divergência mais severa entre ricos e pobres.

Claramente, não vou abordar o que podem ser os possíveis desvios autoritários, ainda não definidos, mas certamente uma comparação ainda importante entre a sociedade serà um evento definível e potencialmente definido.

Não é fácil definir essa assimetria altamente articulada que prendeu a vida da sociedade mundial em um horizonte temporal, muito comprimido e de duração indefinida, além da injunção  de alguns direitos básicos do cidadão, como a segregação social ou mesmo o direito de protesto, misturado com a falta de necessidades básicas, poderia desencadear reações violentas que poderiam se estender até o nível de atividades insurrecionais.

Não se pode subestimar a ocorrência de precedentes perigosos, que poderiam dar origem a um sistema com desvios autoritários, não em referência a um país ou área geográfica específica, mas em um nível inter-regional.

Não está excluído que possa haver uma espécie de liquidação de alguma figura democrática, através de uma espécie de suspensão fantasma dos direitos constitucionais que de alguma forma se justificam.

Isso criaria um aumento na escalada e conflito dentro do tecido social, que de alguma forma imporia um estado de emergência, por meio de regras que não são descaradas, mas justificadas pela emergência social.

No entanto, é muito claro qual seria o impacto de uma atenuação de garantias institucionais, prolongada ao longo do tempo, claramente que as populações não permaneceriam impassíveis.

ATIVIDADES FIE (ENTIDADES DE INTELIGÊNCIA ESTRANGEIRA)

Atualmente, o debate na Comunidade Internacional de Inteligência está sendo questionado sobre a possibilidade de atividades especulativas de inteligência dentro do evento catastrófico (refiro-me à pandemia) pela FIE (Entidades de Inteligência Estrangeiras), precisamente para criar novas estruturas e alianças e desintegrar as antigas, com o objetivo de adquirir vantagens variadas e aproveitar a oportunidade absolutamente não formalizada, tanto em termos de duração quanto de modalidade.

Claramente, a atividade de desinformação e manipulação poderia ser amplamente utilizada também na sociedade, que poderia se tornar elementos inconscientes, ativados pelo termômetro da crise econômica, a fim de apoiar ou derrubar este ou aquele governo ou partido político, de acordo com o nível de conveniência e pura oportunidade política.

Já dissemos que, nessa situação pós-pandemia específica, o sujeito em questão, ou seja, o FIE, não tem fins limitados, mas pode haver um aumento nas superfícies de atrito, a fim de criar condições necessárias para favorecer seus países com apoio de um aliado que por sua vez seria o inimigo endógeno da sociedade comprometida.

CRIME ORGANIZADO

As grandes organizações criminosas, regionais e transnacionais, estarão diretamente envolvidas nas atividades em esmago da estrutura de estabilidade social. As atividades de apoio e assistencialismo da sociedade e, especialmente, das classes mais pobres se tornariam uma operação para atrair consenso, criando uma coordenação multidimensional com o objetivo de coordenar qualquer tipo de ação anti-sistema, com princípios que de alguma forma se referem a aos conceitos de cooperação civil e militar, com modelos comparáveis e, em alguns aspectos, aderindo aos conceitos de guerra revolucionária.

Claramente, a criação de grupos de populações armadas se tornaria inevitável, com uma graduação que de alguma forma corresponderia cada vez mais a uma realidade exasperada, desorientada e pronta para minar qualquer consenso em relação ao governo central.

Essa atividade levaria o Estado a negociar com o crime, a fim de evitar atividades subversivas e rebeliões, isso já está em andamento.

TERRORISMO

O terrorismo poderia ser um ator altamente ativo nos períodos de pandemia e pós-pandemia.

É importante lembrar que, neste período, o risco de contágio obrigou muitos países a desmobilizar e reduzir contingentes militares de áreas altamente sensíveis, que em muito pouco tempo poderiam retornar às mãos de grandes organizações terroristas. O terrorismo poderia se tornar um ator decisivo, porque, como sempre, se tornaria um vetor de grande desinformação, ao qual tarefas e responsabilidades seriam atribuídas da maneira mais inequívoca possível, também de atividades e ataques nos quais organizações terroristas não estariam diretamente envolvidas.

Poderia ser um grande elemento de luta que se desenvolveria indiferentemente em todos os níveis e de maneira multifacetada, aproveitando peculiaridades importantes, mesmo com a cumplicidade da crise econômica, que induziria governos a soluções e implementaria o estado de exceção, justificado de um tipo de formula de gerenciamento de crises. Formalmente, o terrorismo em todas as suas facetas poderia, sem saber, estar sob uma possível subordinação do tipo pretoriano por aqueles que o usariam para seus próprios fins de controle social.

AS EMPRESAS MILITAR E DE SEGURANÇA PRIVADAS (PMS’C)

Num cenário em que os personagens da globalidade assimétrica e não apenas a instabilidade econômica, mas sobretudo social, determinam aquelas condições em que há um aumento de riscos antrópicos, pelo menos de um ponto de vista substancial, esses atores privados ou para-governamentais, eles se tornarão atores importantes, não apenas para a defesa dos negócios, mas para muitos interesses estratégicos, não apenas regionais, mas também transnacionais, conseguindo paradoxalmente cobrir essas lacunas institucionais, criadas especificamente ou não. Certamente haverá uma interoperabilidade em relação às funções de controle contra as várias ameaças, não apenas de tipo antrópico, mas também natural.

Por outro lado, é absolutamente ilusório pensar que somente os governos serão capazes de controlar situações degenerativas nas quais os riscos e ameaças possam assumir a aparência de um turbilhão, entendendo que estão sugando várias áreas da vida social severamente comprometidas pela crise econômica difundida.

Nessas condições, o PMS’C adquirirao mais espaço, garantindo o compromisso correto para a segurança de diferentes setores produtivos, com um aumento de cerca de 35%.